Santa Eulália

A padroeira de Balasar

Esta notícia biográfica sobre Santa Eulália é da autoria do Padre Humberto Pasquale, que a publicou no Boletim de Graças da Alexandrina.

A vida e o martírio de Eulália estão narrados num livro, em língua latina, do ano 405, pelo poeta Aurélio Prudêncio.

A perseguição de Maximiano contra os cristãos alastrou-se, no fim do terceiro século, por todas as regiões do Império Romano e, portanto, à Península.

A comunidade cristã florescia e a crueldade dos pagãos recrudesceu com mais violência no centro mais importante da Espanha, na cidade Emérita Augusta, chamada hoje Mérida.

Os habitantes fugiram pelos campos e bosques. Assim fez Libério com a esposa e a única filha, uma moça de 12 anos já conhecida pela sua bondade e modéstia.

Eulália, no seu esconderijo, não tinha sossego ao saber que muitos irmãos da cidade eram vítimas das perseguições.

Resolveu um dia, embora tão nova e fraca, intervir directamente junto do legado imperial.

Numa noite, com uma amiga de nome Júlia, partiu para Mérida.

Chegada à frente do Pretor, pediu-lhe encarecida e corajosamente que acabasse com a perseguição.

O legado imperial, pasmado pela audácia da rapariga, procurou de mil maneiras fazê-la renegar a sua fé. Ao ver inúteis palavras e ameaças, ficou desnorteado e condenou Eulália a torturas terríveis, a que resistiu com a força sobrenatural que o Espírito de Deus lhe comunicava.

Queimada com tochas ardentes, ainda teve forças para dizer ao algoz : « Deita sal no meu corpo para que não me apresente insossa ao meu Esposo celestial ! »

Era o dia 10 de Dezembro do ano 304. Também Júlia foi martirizada: deceparam-lhe a cabeça.

O exemplo de Eulália deu novas forças aos cristãos; foram muitas as vítimas santas da perseguição, mas finalmente os pagãos deram-se por vencidos.

A fama da Mártir de Mérida difundiu-se rapidamente até às comunidades mais longínquas e Eulália foi venerada e amada por toda a parte.

Balasar há vários séculos tem como padroeira esta santa admirável.

Ignoro se a Alexandrina conheceu a vida e o heroísmo de Santa Eulália. Nem sei se teve devoção para com ela. O que sei é que amou a Deus e professou a fé com o mesmo heroísmo e até maior, porque o seu martírio foi de longos anos e sempre numa indizível alegria.

Invoquemos o seu auxílio e aprendamos as lições do seu exemplo admirável.

H. M. P.

Nota – Mérida fica na Espanha, uns 100 km a nascente de Elvas. É notável pelas suas antiguidades romanas, sobretudo o Teatro, e pelo óptimo museu. Chamava-se Emérita Augusta por ter sido fundada por tropas licenciadas (eméritas) que foram do norte da Península, concretamente de Braga (Bracara Augusta), no séc. I A.C.

 

 

PARA QUALQUER SUGESTÃO OU INFORMAÇÃO