CONSAGRAÇÃO DO MUNDO
AO CORAÇÃO IMACULADO DE MARIA

Dois artigos do Padre Fernando Leite
sobre a Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria

 

 O Mundo Consagrado
aos Corações de Jesus e de Maria

Os dois artigos do P.e Fernando Leite que se seguem foram ambos publicados na Voz de Fátima e em data próxima da Beatificação da Alexandrina. Como se verá, o segundo em grande parte repete o primeiro, mas acrescenta alguma coisa no final. A republicação fazia sentido, pois a Beatificação já estava mesmo a chegar.

A importância deles está no facto de Fátima reconhecer a importância da Beata Alexandrina relativamente à Consagração do mundo de 1942 e em isto ser afirmado por quem é, uma pessoa próxima do P.e Pinho e conhecedor da mensagem de Fátima. O P.e Fernando Leite dirigia então a Cruzada, que o P.e Pinho fundara.

 

As instâncias do Senhor para que o mundo inteiro fos­se consagrado, tanto ao seu Coração, como ao Imaculado Coração de Maria, partiram de Portugal. Quanto à Consagração ao Coração de Jesus a intermediária dos pedidos do Céu foi a Irmã Maria do Divino Coração (1863-1899), religiosa alemã, actualmente beatificada, na altura Superiora do recolhimento do Bom Pastor, em Paranhos, Porto. Por três aparições ou visões, em 1897 e 1898, recebeu ordem do Céu para escrever ao Papa Leão XIII, pedindo-lhe que se dignasse aceder ao convite que lhe era dirigido. Depois de diligente investigação, a 25 de Maio de 1899, publicou o Papa a Encíclica «Annum Sacrum», mandando celebrar um Tríduo de orações na principal igreja de cada localidade, nos dias 9, 10 e 11 de Junho, para que, nesta última data, todos os católicos, em união com ele, se consagrassem ao Coração Divino do Senhor. Como o próprio Papa declarou: "Vou praticar o acto mais glorioso do meu pontificado».

E assim o fez, como preparação para o Ano Santo com que se ia inaugurar o século XX. A inter­mediária para a Consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria, não foi propriamente a Irmã Lúcia, como por vezes se afirma, mas a Alexandrina Maria da Costa, que esperamos este ano ver elevada aos altares, com o título de Beata.

O salesiano italiano Padre Humberto Pasquale, segundo director espiritual da Serva de Deus, e que também frequentes contactos teve com a Irmã Lúcia, escreve a este propósito: "Por amor da verdade, deve rectificar-se o que anda errado no julgamento de muitas pessoas, que atribuem à Irmã Lúcia o pedido do Céu para esta consagração. Tendo eu visitado a Vidente de Fátima no seu Carmelo de Coimbra, no dia 4 de Agosto de 1978, dirigi-lhe propositadamente a seguinte pergunta: Gostava que me dissesse, se o puder fazer, se alguma vez Nossa Senhora lhe pediu a Consagração do mundo ao seu Imaculado Coração. E logo a Irmã Lúcia: "Nossa Senhora nunca me pediu essa Consagração. Só me pediu a consagração da Rússia".

A mesma resposta a deu ao monfortino holandês Padre Huberto Iongen, nas suas entrevistas de 3 e 4 de Fevereiro de 1946.

Tendo-lhe este feito a pergunta: "Não falou (Nossa Senhora) na Consagração do mundo? — Não". Foi a resposta textual que recebeu. Por isso o especialista de Fátima, o claretiano espanhol, encarregado do estudo científico da mensagem, Padre Joaquim Maria Alonso, dá este testemunho:

"Em Fátima, propriamente, não foi pedida pela Virgem mais do que a Consagração da Rússia, como meio eficaz da sua conversão e da paz do mundo". Nos anos de 1935 e, 1936, a "doentinha de Balasar» sacrificou-se e imolou-se para que fosse concedida ao mundo a graça da consagração. Tais pedidos foram transmitidos à Santa Sé por meio do Padre Mariano Pinho, sacerdote eminente da Companhia de Jesus.

O facto é confirmado oficialmente pela Congregação para a Causa dos Santos no perfil biográfico da Venerável Alexandrina. Tal documento proclama: "No ano de 1936, por ordem de Jesus, Alexandrina Maria da Costa pediu ao Santo Padre, por meio do Padre Mariano Pinho a Consagração do Mundo ao Coração Imaculado de Maria. Este pedido foi renovado mais vezes no ano de 1941, pelo que a Santa Sé interrogou três vezes o Arcebispo de Braga acerca da Alexandrina: e no fim a consagração foi feita por Pio XII em Roma, no dia 31 de Outubro de 1942".

Poucos dias depois da sua eleição para o Sumo Pontificado, isto é, a 20 de Março de 1939, diz-lhe o Senhor a respeito do novo Vigário de Cristo: "Será este o Papa que fará a consagração".

Nos fins do mês de Maio de 1942 o Senha fala-lhe em tom de festa: "Glória, glória, a Jesus! Honra e glória a Maria! O coração do Papa, o coração de ouro (Pio XII) está resolvido a consagrar o mundo ao Coração de Maria! Que dita, que alegria para o mundo ser consagrado, pertencer mais que nunca à Mãe de Jesus! Todo o mundo pertence ao Coração Divino de Jesus; todo vai pertencer ao Coração Imaculado de Maria» (22.05.1942).

Passados cinco meses, a 31 de Outubro de 1942, Pio XII, falando para Portugal, na nossa língua, pronunciou estas palavras: "A Vós, ao Vosso Coração Imaculado, nós como Pai comum da grande família Cristã, como Vigário de Cristo; Aquele a quem foi dado todo o poder no Céu e na terra, e de quem recebemos a solicitude de quantas almas remidas com o seu sangue povoam o mundo universo; a Vós, ao vosso Coração Imaculado ... confiamos, entregamos, consagramos, não só a Santa Igreja ... mas também todo o mundo ... ".

Esta Consagração, ainda que não explicitamente pedida em Fátima, está plenamente dentro do seu espírito. Também nela teve alguma influência a Irmã Lúcia, como esperamos esclarecer noutra altura.

Voz de Fátima, 13.04,2002.

 

Consagração do Mundo ao Coração de Maria

 

As instâncias do Senhor para que o mundo inteiro fosse consagrado, tanto ao seu Coração, como ao Imaculado Coração de Maria, partiram de Portugal.

Quanto à Consagração ao Coração de Jesus a intermediária dos pedidos do Céu foi a Irmã Maria do Divino Coração (1863-1899), religiosa alemã, actualmente beatificada, na altura Superiora do recolhimento do Bom Pastor, em Paranhos, Porto.

O salesiano italiano Padre Humberto Pasquale, segundo director espiritual da Serva de Deus Alexandrina Maria da Costa e que também frequentes contactos teve com a Irmã Lúcia, escreve a este propósito: "Por amor da verdade, deve rectificar-se o que anda errado no julgamento de muitas pessoas, que atribuem à Irmã Lúcia o pedido do Céu para esta consagração. Tendo eu visitado a Vidente de Fátima no seu Carmelo de Coimbra, no dia 4 de Agosto de 1978, dirigi-lhe propositadamente a seguinte pergunta:

— Gostava que me dissesse, se o puder fazer, se alguma vez Nossa Senhora lhe pediu a Consagração do mundo ao seu Imaculado Coração.

E logo a Irmã Lúcia: — Nossa Senhora nunca me pediu essa Consagração. Só me pediu a consagração da Rússia".

A mesma resposta a deu ao monfortino holandês Padre Huberto Iongen, nas suas entrevistas de 3 e 4 de Fevereiro de 1946.

Tendo-lhe este feito a pergunta: — Não falou (Nossa Senhora) na Consagração do mundo?

— Não". Foi a resposta textual que recebeu.

Por isso o especialista de Fátima, o claretiano espanhol, encarregado do estudo científico da mensagem, Padre Joaquim Maria Alonso, dá este testemunho:

"Em Fátima, propriamente, não foi pedida pela Virgem mais do que a Consagração da Rússia, como meio eficaz da sua conversão e da paz do mundo".

A consagração do mundo inteiro está intimamente relacionada com a Venerável Alexandrina Maria da Costa.

Durante um êxtase de 20 de Março de 1939, Jesus diz-lhe claramente:

"Será este o Papa que fará a Consagração".

"Glória, glória, a Jesus! Honra e glória a Maria! a coração do Papa, o coração de ouro (Pio XII) está resolvido a consagrar o mundo ao Coração de Maria! Que dita, que alegria para o mundo ser consagrado, pertencer mais que nunca à Mãe de Jesus! Todo o mundo pertence ao Coração Divino de Jesus; todo vai pertencer ao Coração Imaculado de Maria» (22-05-1942).

Certamente a Alexandrina previu e visão estes gloriosos acontecimentos, porque na semana seguinte, no habitual êxtase de sexta-feira, expande-se:

"Ave, Maria, Mãe de Jesus! Honra, glória e triunfo para o seu imaculado Coração! Ave, Maria, Mãe de Jesus, Mãe e todo o universo! Quem não quererá pertencer à Mãe de Jesus, à se hora da Vitória? a mundo vai ser consagrado todo ao seu Imaculado Coração! Guarda, Virgem pura, guarda, Virgem Mãe, em teu coração Santíssimo todos os lhos teus" (29 de Maio de 1942).

 

Na véspera do solene acontecimento, feito pelo Papa Pio XII a 31 de Outubro de 1942, Jesus fala novamente à sua mensageira, com expressão de júbilo:

"O Céu, o Céu cheio de glória! O Céu cheio de triunfo!».

Na sexta-feira seguinte à Consagração, Jesus profetiza as vitórias desta glória mariana: «Triunfo! Triunfo! Glória a Jesus e a Maria! Paz à humanidade! Jesus alegra-se, Jesus consola-se. A Rainha do Céu, a Rainha do mundo triunfa nele... A Mãe de Jesus e as vítimas trazem a paz à humanidade».

O Salvador avisa:

«Ai do mundo se não se converte! Ai dele se não ama a Jesus! Ai dele se não deixa seus vícios! Ai dele se não deixa seus crimes que tanto têm rasgado o Coração Divino de Jesus» (6 de Novembro de 1942).

Já a 2 de Dezembro de 1939 o Senhor tinha-lhe dirigido esta confidência:

"O Coração da minha Mãe Bendita está tão ferido com as blasfémias que contra Ela se proferem. Tudo o que fere o seu Santíssimo Coração vem ferir o Meu. Estão tão unidos os nossos Divinos Corações! É por isso que a Consagração do mundo lhe há-de dar muita honra e glória. Coragem, minha filha, que dentro em pouco tudo será realizado e depois verás no Céu a glória que lhe foi dada!”

Jesus promete-lhe, a 18 de Março de 1955:

"No Céu hás-de enriquecer a humanidade».

E no mês anterior à sua morte, 13 de a o de 1955:

“Como por meio de ti foi consagrado o mundo à minha Mãe Bendita, faz que se espalhe em todo o mundo o amor dos nossos Corações”.

Voz de Fátima, 13.2.2004.