EPIFANIA DO SENHOR
— C —

Leitura do Livro de Isaías     (Is 60, 1-6)

Levanta-te e resplandece, Jerusalém, porque chegou a tua luz e brilha sobre ti a glória do Senhor. Vê como a noite cobre a terra e a escuridão os povos. Mas sobre ti levanta-Se o Senhor e a sua glória te ilumina. As nações caminharão à tua luz e os reis ao esplendor da tua aurora. Olha ao redor e vê: todos se reúnem e vêm ao teu encontro; os teus filhos vão chegar de longe e as tuas filhas são trazidas nos braços. Quando o vires ficarás radiante, palpitará e dilatar-se-á o teu coração, pois a ti afluirão os tesouros do mar, a ti virão ter as riquezas das nações. Invadir-te-á uma multidão de camelos, de dromedários de Madiã e Efá. Virão todos os de Sabá, trazendo ouro e incenso e proclamando as glórias do Senhor.

 

Salmo  71 (72),  2.7-8.10-11.12-13(R. cf. 11)

Ó Deus, concedei ao rei o poder de julgar
e a vossa justiça ao filho do rei.
Ele governará o vosso povo com justiça
e os vossos pobres com equidade.

Florescerá a justiça nos seus dias
e uma grande paz até ao fim dos tempos.
Ele dominará de um ao outro mar,
do grande rio até aos confins da terra.

Os reis de Társis e das ilhas virão com presentes,
os reis da Arábia e de Sabá trarão suas ofertas.
Prostrar-se-ão diante dele todos os reis,
todos os povos o hão-de servir.

Socorrerá o pobre que pede auxílio
e o miserável que não tem amparo.
Terá compaixão dos fracos e dos pobres
e defenderá a vida dos oprimidos.

 

Leitura da Epístola do Apóstolo São Paulo aos Efésios    (Ef 3, 2-3a.5-6)

Irmãos:
Certamente já ouvistes falar da graça que Deus me confiou a vosso favor: por uma revelação, foi-me dado a conhecer o mistério de Cristo.

Nas gerações passadas, ele não foi dado a conhecer aos filhos dos homens como agora foi revelado pelo Espírito Santo aos seus santos apóstolos e profetas: os gentios recebem a mesma herança que os judeus, pertencem ao mesmo corpo e participam da mesma promessa, em Cristo Jesus, por meio do Evangelho.

 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo
segundo São Mateus    (Mt 2, 1-12)

Tinha Jesus nascido em Belém da Judeia, nos dias do rei Herodes, quando chegaram a Jerusalém uns Magos vindos do Oriente.

«Onde está — perguntaram eles — o rei dos judeus que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-l’O».

Ao ouvir tal notícia, o rei Herodes ficou perturbado e, com ele, toda a cidade de Jerusalém. Reuniu todos os príncipes dos sacerdotes e escribas do povo e perguntou-lhes onde devia nascer o Messias. Eles responderam: «Em Belém da Judeia, porque assim está escrito pelo profeta: ‘Tu, Belém, terra de Judá, não és de modo nenhum a menor entre as principais cidades de Judá, pois de ti sairá um chefe, que será o Pastor de Israel, meu povo’». Então Herodes mandou chamar secretamente os Magos e pediu-lhes informações precisas sobre o tempo em que lhes tinha aparecido a estrela. Depois enviou-os a Belém e disse-lhes: «Ide informar-vos cuidadosamente acerca do Menino; e, quando O encontrardes, avisai-me, para que também eu vá adorá-l’O».

Ouvido o rei, puseram-se a caminho. E eis que a estrela que tinham visto no Oriente seguia à sua frente e parou sobre o lugar onde estava o Menino. Ao ver a estrela, sentiram grande alegria. Entraram na casa, viram o Menino com Maria, sua Mãe, e, prostrando-se diante d’Ele, adoraram-n’O. Depois, abrindo os seus tesouros, ofereceram-Lhe presentes: ouro, incenso e mirra. E, avisados em sonhos para não voltarem à presença de Herodes, regressaram à sua terra por outro caminho.

 

“Jesus é a Estrela”

Deus é património de todos. Para Ele, não existem diferenças. Jesus é referência universal, o Salvador de todos os tempos.

O Evangelho fala-nos de uns Magos do Oriente, exóticos personagens que têm a intuição de que Deus Se revela através de sinais e de acontecimentos. Chegou até eles a luz de uma Estrela singular que vinha de uma gruta perdida nos arredores de uma povoação. Deixam-se guiar e convertem-se em peregrinos do mistério e em pesquisadores do ideal. Empreendem essa aventura porque têm um espírito jovem. Transbordam de intuição e de esperança.

Os cristãos temos experiência do que é encontrar-nos com Deus, mas, nem por isso, deixamos de procurar. Antes, pelo contrário, a fé abrasa-nos o coração ainda mais e impele-nos para novos compromissos. incita-nos a desbravar novos caminhos, dispostos a gerar dinamismos e generosidade, características dos Reis Magos.

De facto, esta narrativa evangélica, pitoresca e lendária, está carregada de ensinamentos. Estes personagens são um símbolo eloquente de como atrai e apaixona a procura do ideal. Ao longo da vida, antes ou depois, sempre nos aparecerá alguma estrela capaz de nos iluminar, se caminharmos com um coração simples. Os que são sensíveis àquilo que é essencial, reconhecem essa Estrela de Deus e seguem-na. Mas, aqueles que levam uma existência perturbada   não a reconhecem.

Como diz um autor do nosso tempo, a narrativa dos Magos é um reflexo daquilo que costuma acontecer a todos os crentes no caminho da fé:

— Viram a estrela.
— Interpretaram o seu significado.
— Puseram-se a caminho.
— Perseveraram, apesar dos obstáculos.
— Procuraram apaixonadamente o encontro com o Senhor.
— Caindo de joelhos, adoraram-n’O e ofereceram-Lhe presente s.
— Regressaram por outro caminho, iluminados por aquilo que tinham vivido.

P. José Granja,
Reitor da Basílica dos Conregados, Braga.

 

PARA QUALQUER SUGESTÃO OU INFORMAÇÃO